segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Virtudes e Defeitos


Escondemos nossos maiores defeitos atrás de nossas maiores virtudes. Somos altamente capacitados para transformar situações e sairmos muito bem delas. Somos espertos, mesmo que alguns o façam por instinto. Não queremos parecer fracos, não todo o tempo, diante das pessoas, principalmente se ainda não as conquistamos. Então, escondemos. Dissimulamos. Aparentamos o que não somos realmente. É claro que tem muita gente simples, transparente por aí. Mas a maioria joga. Incorpora personagens, atua, e gosta do papel que interpreta. Mas no fundo, há muito escondido. O que torna tais pessoas muito mais interessantes. É uma arte desvendar o comportamento humano com suas inúmeras facetas.

Vamos idealizar alguém que seja muito espontâneo, muito extrovertido, aquele animador da galera mesmo, sempre sorrindo, sempre bancando o palhaço, o comediante da turma. Todos pensam que é extremamente bem resolvido e há alegria de sobra. Incrível como não nos damos conta de que, muitas vezes, aquilo só é uma fuga, provavelmente de insegurança, carência, falta de atenção em casa. Uma pessoa que é mentirosa, aumenta os acontecimentos, vive no mundo da fantasia, pode ser uma pessoa muito insegura que precisa se auto afirmar, fazer com que suas histórias sejam melhores do que realmente são, porque não são comuns. Aquele tipo de pessoa que tudo acontece com ela. Uma pessoa que seja totalmente fechada, fria, calculista e insensível pode apresentar os mais intensos sentimentos, só que os esconde, provavelmente porque tenha se machucado já ou tenha muito medo simplesmente de se expor, com medo de que aconteça talvez o mesmo que sucedeu com algum ente próximo. Talvez seja fruto de sua educação rígida e sufocante, afinal, o medo dos pais passa para os filhos. Uma pessoa que aparenta ser muito forte, até mesmo parece imbatível, não passa de um bebê que precisa de colo quando cai do balanço, gritando 'mãnhêêê!'. Alguém que se sente, na realidade, só, procura em muitos o que não tem em poucos: amizade verdadeira, amor, afeto, relações sólidas e intensas. A solidão pode ser despistada com amigos virtuais, com festas, companhias instantâneas. Um belo sorriso e um papo agradável, a noite não virá só e tal pessoa estará sempre acompanhada pelos mais diversos tipos diferentes de 'amigos'.

Impressionante, não? Esta máquina cheia de curiosidades e peças inusitadas. Ligações fantásticas, reinventadas pelo nosso inconsciente. Despreparadamente nos defendemos melhor do que podemos imaginar. De um jeito talvez torto, mas do único que conseguimos.

A solidão vira companhia em excesso. A carência vira afetuosidade demasiada. A insegurança vira 'contador de histórias'. O medo vira frieza. Fraqueza vira força. E há sorrisos, há olhares, há maneiras. Há mil papéis, mil roteiros, mas só um palco. Faça o melhor que puder, atuando ou não.

Um comentário: