terça-feira, 9 de novembro de 2010

One day

Há umas duas semanas eu ouvi me perguntarem que, se eu pudesse escolher um único dia para viver, qual dia seria esse e eu não soube muito bem o que responder, não sabia se algum dos momentos que eu já vivi teria carga suficiente para ser o único dia a ser vivido novamente e, como boa indecisa, não respondi nada. Pois acontece que, em um único dia, eu reformei a minha (ausência de) resposta e tive a certeza que aquele dia poderia ser o único a ser vivido e revivido e repetido centenas e milhares e milhões de vezes. O dia foi este último domingo que, como e muito mais do que eu imaginava, ficará na memória. Claro que pelo show maravilhoso do Paul McCartey (o que já era previsível dada a "Síndrome Pré-Paul" que me fez virar noite e chorar descompensada antes, durante e depois da apresentação) e, certamente muito mais, pela surpresa linda que me aconteceu nesse dia. A gente sempre imagina que certos momentos vão ser como nos filmes mas a gente nunca ousa sonhar que os momentos mais especiais podem ser ainda melhores do que as cenas na telona. A gente sempre imagina que vai ter joelhos, um anel lindo e flores.. Mas é impossível imaginar que vai ser embalado a Beatles, com o próprio Paul fazendo a trilha ao vivo, com cinquenta mil pulando e cantando, chorando e vibrando o mesmo momento, mesmo que não pelas idênticas razões. A gente nunca se permite sonhar que a realidade um dia pode ser melhor que a ficção. Que o anel era o único, e tinha que ser aquele e que, surpreendentemente, serviu perfeitamente. Que o par era único, a ida única, a noite única, o final de semana único em que todos os momentos conspiraram para o sete, três dias que 3+7 resultaram num belo dez, o número da perfeição, do equilíbrio entre o homem e a mulher, de pontos brilhantes numa noite cheia de estrelas e chuva de papel picado.
E voltando ao dia único, aquele que eu reviveria pelo resto da vida, escolho o último sete. Porque quando a vida nos surpreende de maneira tão magnífica e conspira para uma conjunção inacreditável de emoções e beleza, sortudos somos nós que vivemos e elencamos para que seja revivido para sempre, mesmo que só na memória do dia mais incrível de toda a minha vida.


"All my loving I will send to you
All my loving, darling, I'll be true."

Um comentário:

  1. antigamente eu tinha nome nos textos. agora eu sou alguém. haha

    ResponderExcluir